segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Controles



- Há, há. Este filme é divertido.

- É? Porque?

- Porque me fez rir, ora essa.

- Então... Se eu estou caminhando com um garfo em uma mão e uma torta na outra, tropeço e sem querer enfio o garfo em uma tomada elétrica, levo um choque e fico parecendo uma mistura de uma versão anarco-punk do Einstein com o Bozo com amigdalite, isso seria engraçado?

- Hmm... Einstein antes ou depois da fama?

- Não importa.

- Então não vou responder.

- Tá vendo? É disso que estou falando.

- Do que? Não vi nem o Bozo nem o Einstein no filme. Se bem que ainda não vi até o final, então...

- É EXATAMENTE disso que estou falando. Da sua mania de dar atenção ao que não é importante.

- Isso deve ser verdade, afinal, eu perco meu tempo conversando com você, não é mesmo?

- Se nossas conversas resultassem em algo, tudo bem, mas se eu assistisse a este filme aí eu poderia ter um a. v. c. (acidente vascular cerebral).

- Boa essa!

- Como assim?

- É que o nome do filme é Amazing Vacation Camp, ou seja, tem as mesmas iniciais de a.v.c.. He, he.

- E isso consegue ser tão engraçado quanto um documentário sobre a hibernação do urso malaio.

- Ah, mas que legal. Você reclamando da piada que VOCÊ mesmo fez. E ainda quer me falar de humor?

- Mas eu não... Ah, deixa pra lá, se quer assistir a mais um filme onde o desordeiro da turma - que tem o senso de noção de uma bola de demolição com soluço - passa o filme inteiro aprontando com todo mundo e no final se apaixona pela sua colega que é mais sem graça do que piada de bancário.

- Você acabou de me contar o final do filme. ISSO sim é ser sem graça.

- Vai me dizer que não sabia que o final é esse?

- Se eu soubesse, não assistiria, né? E o que é divertido ou não é algo totalmente relativo. Tudo pode ser divertido, até mesmo a Ciência.

- Depende da forma como nós a encaramos. É divertido quando você cria um vulcão de bicarbonato de sódio e vinagre na escola e ele explode deixando todos à sua volta parecendo figurantes de filme do George Romero, mas quando, por causa disso, o valentão da turma te dá uma surra, te deixando parecido com um boneco de teste de veículo supersônico no final do expediente daí não tem nada de divertido.

- Vulcão de... De onde foi que tirou isso, de algum seriado norte-americano?

- Talvez. Nossa memória é tão confiável quanto qualquer versão do Windows. Pensando bem, nós crescemos assistindo a estes seriados.

- Porque eram divertidos!

- Não, porque naquele tempo era o que tinha para se assistir na tv, e videocassete era coisa de magnata do petróleo ou do diamante. Ou de ambos. Hoje em dia é diferente, já que podemos assistir apenas o que desejamos.

- Que é exatamente o que estou fazendo, não?

- Ahn... Sim.

- E cabe a mim decidir o que eu quero ou não assistir, e o que quero ou não gostar, não é mesmo? Independentemente se o mundo esteja em paz o em um Apocalipse C, não é mesmo?

- Eu poderia responder se me disser o que é um Apocalipse C. E se disser que é o Apocalipse que fica entre os B e eu vou fazê-lo engolir o controle remoto. E sem café, água ou suco para acompanhar.

- O Apocalipse C é o apocalipse dos carteiros, quando eles se revoltarão contra o Sistema e passarão a entregar os pacotes nos endereços errados. Imagine só você estar esperando o seu videogame novo e receber no lugar uma coleção de borboletas hondurenhas? É de enlouquecer.


- Mas esse tal Apocalipse C é somente teórico, não? Quer dizer... Qual a probabilidade disso vir a ocorrer?

- A mesma de você me deixar em paz por mais de dez minutos. E, na teoria, todo apocalipse pode vir a ocorrer?

- E... O que podemos fazer para evitá-los?

- Podemos aceitar o gosto e a opinião alheios. Por mais esdrúxulos que eles possam nos parecer.  

- Verdade.

- É verdade, sim. Seu sem graça.



32 comentários:

  1. Humm... Não sei se se aceitar as opiniões dos outros por mais estranhas que sejam possa evitar o apocalípse, mas resolveria um bocado dos problemas da humanidade...
    Muito bom Jacques.
    bjks doces e boa semana.

    ResponderExcluir
  2. Jacques, guri de Pelotas!
    Coloquei lá no face, espero que goste.
    Muito orgulho de ti, amigo!
    Grande abraço!

    PS.: Não esquece de me citar no Jô!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ana.
      Espero que voltes logo a postar no Humor em Conto (tanto quanto espero que bugs como o que ocorreu hoje no Google não se repitam).
      Abração pra ti e até mais.

      Excluir
  3. Boa noite Jacques.
    Eu respeito as opiniões alheias desde que as mesmas não sejam uma tosquice level master que afete a integridade de alguém, mas admito que gostos eu ainda preciso evoluir para respeitar, tal como este modismo dos 50 tons que anda rolando por aí. rs. Não consigo perder certas piadas e nem li o livro (nem pretendo), ou seja, preconceito assumido. Não tem como fugir disto. É o mesmo caso da saga Twillight, quem leu a literatura GARANTE que é muito diferente, porém, eu não tive o mínimo ânimo para conferir.
    O importante é pessoa ler o que gosta, ver o que gosta, mas não tentar impor. Embora, algumas piadas, por vezes, sejam praticamente inevitáveis.

    => CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caraca... Desta vez deu certo, eu já tinha o comentário salvo no bloco de notas para copiar e colar no Premium. rs.
      Acho que o erro que deu no Google foi um benefício. Vou tentar no blogue da Lu Santa Rita logo mais.

      Excluir
  4. Jacques,

    Os Diálogos De Jacques, hehehe, já são um clássico. às vezes começo a imaginar diálogos sem querer assim, mas não escrevo porque eles somem da memória; você tem o dom do diálogo, isso é bom, que são sempre engraçados e interessantes, ao estilo do Veríssimo, que está no Hospital Moinhos de Vento, aí em POA. Estimo melhoras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ande com um caderninho no bolso.
      Assim sempre que algo passar na mente, vc escreve para não esquecer.
      Muitos fazem assim.
      Beijos!!!

      Excluir
  5. Ahahahahahahahahahaha... ótimo!!!!!

    Parece eu e a mãe ontem. eu assistindo ao meu filminho de ação e ela só reclamando porque queria assistir a um programa de culinária na Fox... tanto encheu que me dei conta (depois de 20 min de filme, que já tinha assistido e que era uma porcaria o tal filme... mas guentei até ela desistir, afinal não ia dar o braço a torcer com o controle remoto na mão, né?

    Ótimo texto, como sempre! Parabéns! Faz a gente viajar... da Malásia a Honduras... ahahahahahahahaha

    ResponderExcluir


  6. Depende do controle ou descontrole...
    "Bom Dia...logando por aí!"

    Abraço-tchê!

    :o)

    ResponderExcluir
  7. Jaques, meu amigo! Sinto orgulho por você ser gaúcho! Você escreve bem pra caramba tchê! Mas barbaridade, Guri de Pelotas! Parabéns! É um verdadeiro prazer ler teus textos! Obrigada pelo apoio e pelo carinho! Uma semana de muita paz e alegria! Grande, fraterno e carinhoso abraço!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Controles... mesmo dizendo que as pessoas tem liberdade de escolher o que quiserem, ainda assim muitas vezes tentamos controlar seus gostos. Ainda bem que não há controles remotos (físicos) para as pessoas... se bem que os psicológicos já conseguem fazer estragos, às vezes.
    Muito bem escrito o texto, parabéns e boa semana!

    ResponderExcluir
  9. Oi Jaques,

    Tudo bem? As vezes gasto mais tempo rodando com o controle do que focando em um programa, filme, seriado ou documentário. Quando isso acontece, desligo e pego um livro. Seria algo como uma sensação de tempo que não volta. Talvez fossemos felizes quando só existiam no máximo 03 canais.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  10. Pois é, Jacques, como dizem cada um tem um gosto. Por mais que sejam esquisitos temos que respeitá-los e não tentar controlá-los ou induzi-los.
    A verdade é que pra todo lado tem alguém tentando controlar o nosso gosto. Mas tomara que de pra evitar esse Apocalipse C.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Olá
    Jacques
    ...não é fácil escutar a opinião alheia sem se deixar contaminar pelo próprio desconforto. Consideramos muitas vezes como uma invasão,e demoramos para ter a compreensão da situação antes que a situação se tornasse caótica demais.Mas, muitas vezes procuramos a raiz desse descontentamento no lugar errado. Polarizamos os conflitos. Sobrecarregamos pessoas e situações com tantos defeitos que nem nos damos conta que fazemos parte deste conflito.
    Obrigado!
    ótima quinta feira!
    Abraços
    ClicAki Blog(IN)FELIZ

    ResponderExcluir
  12. Oi Jacques

    aceitar opinião de chatos insistentes é sempre providencial!

    Sossego vale ouro, opinião é no máximo prata; atitude sim, essa é diamante!

    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Olá, nobre amigo Jacques!
    O mais certo no enredo desses dois é que estão fora de controle ou descontrolados das ideias, contudo, informam-nos e, sobretudo, diverte-nos com suas parlapatices.
    No entanto, por meio do diálogo, percebemos que são mestres em humor, ironia e culto, pois têm vasto conhecimento geral, científicos e de arte.
    Filmes são como sogras: tanto agradam como desagradam, mas temos de respeitar o gosto de cada um.
    Essa do carteiro foi ótima!

    Parabéns pela virtuosidade!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Olá Jacques,

    Já estava com saudades de te ler.
    Penso que não existe nada mais irritante do que pessoas palpiteiras e que sentem prazer em criticar o gosto alheio. Há que se respeitar os interesses de cada um, embora divergentes em opiniões. O que é importante ou divertido para um pode não sê-lo para outrem. Afinal, somos todos diferentes.
    Este apocalipse dos carteiros foi por demais criativo. Já pensou que caos?
    Respeitar as pessoas, seus gostos e opiniões, sem pretender exercer controle sobre elas, pode não evitar um Apocalipse, mas, sem dúvida, seria um grande passo para fortalecer e tornar mais agradável as relações humanas.

    Mais um divertido e inteligente diálogo, Jacques.

    Obrigada pelas visitas. Você é muito atencioso e gentil.

    Meu abraço.

    ResponderExcluir
  16. OI JACQUES!
    ACEITAR A OPINIÃO ALHEIA É UM EXERCÍCIO PESADO QUE NEM TODOS ESTÃO DISPOSTOS A FAZER, MAS QUE RESOLVERIA UM BOM BOCADO DE EMBATES, RESOLVERIA...
    MUITO LEGAL ESTE DIÁLOGO.
    ABRÇS


    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  17. Hola Jacques, llego hasta tu sitio por un comentario tuyo en el blog de Zilani, con tu permiso me quedo para seguirte.
    Estupenda entrada, abrazos miles desde Uruguay!

    ResponderExcluir
  18. Jaques, meu amigo! Passando pra ver como você está e agradecer o carinho.
    Um abençoado e feliz fim de semana!
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Oi Jacques,
    Dialogo espetacular, tua capacidade criadora é admirável. Parabém amigo!
    Eu não tenho paciência de ficar focada em um só canal, fico trocando o tempo todo. Por isso não assisto muita TV. Agora aceitar a opinião alheia é um trabalho pra poucos.
    Muito engraçado essa do Carteiro, risoss!
    Beijos e ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  20. Oi Jacques! Respeitar os gostos é importante. Já que são tão diversos, somente o respeito para facilitar a civilidade. Ótimo fim de semana! Abraço!

    ResponderExcluir
  21. Falar em escutar a opinião aleia, tenho bloqueado determinados comentários de pessoas que não tenho muito agrado.
    É automático.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  22. Ah, um desmancha prazeres!! Odeio que me contem o final do filme ou de qualquer história. Por isso, muitas vezes prefiro assistir sozinha pois alguns sem noção costumam fazer comentários nada a ver, o que acontece com alguns blogues... enfim, da próxima vez compre pipoca para um! (rs*) Bom fim de semana!!

    ResponderExcluir
  23. kkkk apocalipse de carteiros foi ótimo, adorei o texto como sempre.

    ResponderExcluir
  24. Olá amigo Jacques!

    Mais um texto interessante, com um diálogo brilhante.
    Devemos respeitar opiniões e aceitar críticas, assim percebemos o mundo por diversos pontos de vista. Assim crescemos. Assim evoluímos e progredimos.
    Parabéns amigo.

    Beijinhos,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  25. Oi, Jacques, faz tanto tempo que tenho o domínio do controle remoto que não preciso me desentender com ninguém (kkkkkk). Aliás, a tv fica mais desligada que funcionando, salvo quando vejo filmes.
    Reconheço que as opiniões são divergentes. Creio, porém, que não se precisa discutir por causa delas. Basta respeitar. E se a conversa não agrada, que cada um pegue seu próprio controle e fique em silêncio.
    Mais um excelente diálogo! Parabéns! Bjs.

    ResponderExcluir
  26. Olá Jacques,

    Quanta criatividade caro amigo, gostei muito do texto!

    Abçs

    ResponderExcluir
  27. Jacques

    Tinha que entrar para agradecer sua presença em minhas postagens. Você é de uma delicadeza ímpar. Bjs.

    ResponderExcluir
  28. Hahaha!
    Adorei! Para evitar apocalipses basta aceitar o gosto e a opinião alheios!
    Jacques, esse seu texto me fez lembrar de uma situação que vivi há pouco tempo. Eu adoro pimenta, acho um tempero delicioso e uma pessoa conhecida, durante um almoço, ao ver que eu estava colocando umas pimentinhas no meu prato, disse com a maior cara de nojo: "Eu queria, realmente, entender o que se passa na cabeça de uma pessoa pra conseguir gostar desse negócio" :/
    Eu juro, juro, que se eu tivesse um controle remoto naquele momento... Hahaha!

    Seus textos são muito divertidos, Jacques! E aos poucos vou colocando a leitura das suas publicações em dia. Porque é leitura que não quero perder de jeito nenhum!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir