terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

O ornitorrinco, este incompreendido




Inglaterra, 1799. Em um laboratório de uma universidade, um cientista e seu assistente examinam um recém chegado ornitorrinco empalhado.

- ... E então, o que o senhor acha que é isso?

- Hmmm... Bico aviforme, membranas interdigitais, ferrão escondido, cauda achatada dorso-ventralmente... Eu acredito que isso só pode ser...

- Um remanescente das criaturas pré-diluvianas, do tempo em que - literal e figurativamente - gigantes caminhavam sobre a Terra?

- Por São Darwin, rapaz, não diga tolices! Somos cientistas! Temos o dever, o prazer, a honra e a obrigação de banirmos estas crendices mitologísticas despropositadas para o Limbo das Falácias Ignominiosas! E esse amontoado de incongruências anatômicas aqui não deve ser nada mais do que um embuste criado para se ganhar alguns trocados à custa da boa fé alheia.

- São Darwin? Mas ele ainda não foi canonizado, senhor.

- Ainda não? Mas que demora, não é mesmo?

- A canonização não é uma ciência exata, creio.  

- Mas a zootomia, ao contrário da verdadeira natureza deste espécime de procedência duvidosa, é!

- Porque o senhor acha que esta simpática criatura é, assim como o Abominável Homem das Neves, o continente perdido de Atlântida e o motor a vapor à prova de explosão, um embuste? Ele pode ser apenas um lusus naturae, ou seja, divertimento da natureza.  

- Oh, é mesmo? E por acaso a Mãe Natureza, que é mais atarefada do que um bibliotecário com alergia a pó, pode arranjar tempo para se divertir?

- Bem, seria um tanto estranho se ela praticasse a caça a raposa, não? E a teoria de Charles Darwin sobre a sobrevivência do mais apto - ou, nesse caso, mais bizarro – pode muito bem elucidar a funcionalidade dos caracteres anatomorfuncionais do nosso amigo aqui, que...

- Anato... Mas esse termo nem existe!

- Mas funciona! E, da mesma forma como utilizamos diferentes disciplinas como Calculística, Geomineração, Historigrafia, Animalística e Herbotomia para unirmos todas elas e com isso conseguirmos criar ideias e novas formas de conhecimento, esse desafio anato-lógico aqui conseguiu juntar diferentes segmentos anatômicos para perseverar e sobreviver por milhões de anos.

- Tem razão, rapaz. E sabe o que isso significa?

- Que ele... Não é um embuste, senhor?

- Significa que - supondo-se que não seja um embuste - esse monstrinho... É UM MONSTRO! Imagine só uma coisinha pequena e atarracada como esta ter sobrevivido por tanto tempo, talvez desde o tempo dos grandes lagartos. Quem sabe até ele pode... Ter extinguido todos eles...

- Pode ser. Se bem que eu sempre imaginei que os grandes lagartos haviam sido exterminados pelos dragões.

- Bobagem, rapaz. Se isso tivesse ocorrido, o que teria, por sua vez, acabado de vez com os dragões?  

- Morreram de fome, oras, já que comeram tudo o que havia para comer e depois disso devoraram-se uns aos outros até que só sobrou um, que morreu de fome, solidão e, provavelmente, remorso. De qualquer forma, é da nossa natureza desvendar os segredos da Natureza. Temos de dar o nosso melhor para levarmos os frutos da Árvore do Conhecimento para as gerações vindouras, mesmo que elas não dêem importância a isso. Devemos suportar agruras como as que Jó, Gilgamesh e Sísifo...

- Espere um pouco, assistente, estas pessoas que você citou são lendárias.

- Exatamente, senhor. Para podermos levar o progresso real adiante, temos de agir como personagens irreais. Irônico, não? E mesmo que daqui a pouco tempo nossos esforços sejam ultrapassados pelas novas descobertas, tornando-as tão obsoletas quanto um espirro contra um incêndio, não há problema algum, já que fizemos a nossa parte. Certo, senhor?

- Err... Bem... Eu suponho que... Quer dizer, é claro, óbvio que sim, entusiasmado mancebo!

- Demorou pra responder, senhor...         

29 comentários:

  1. No deja de ser un animal muy extraño y supongo que en esa época debería de parecer mucho más extraño.
    El traductor me confundió un poco, pero pude interpretar bastante bien tu post.
    Te dejo un fuerte abrazo, un placer leerte!

    ResponderExcluir
  2. Acho que dragão deveria comer gente.
    Assim os dragões estariam até os dias de hoje.
    E gente não faz tanta falta. Tem de montão.
    beijos!!

    ResponderExcluir
  3. Olá guri de Pelotas!
    Gostei bastante, mas volto com calma para comentar, tá bom?
    Abração e ótimas leituras!

    ResponderExcluir
  4. Jacques,

    Erudicto, como sempre. Não, não como não! Mas, vamos ao que interssa no momento aqui em Sampa: o Corinthians, como sempre?
    O que vc acha, o Alexandre foi muito pato com a Sthefany, e agora tá dando uma de bicão com a Barbara?

    A conclusão a que chegaste, porém é certeira, por isso vale sempre: Céus e terras passarão, mas a palavra dele não passará. Vê só, a cada nova teoria, a Ciência se auto se refuta-se a si mesmo reflexivamente em auto implosão, mas a Bíblia continua lá, de pé.

    =D
    Marcos

    ResponderExcluir
  5. Jacques, guri de Pelotas!
    Entendi tantas coisas que acho que não entendi nada :)
    Na seleção natural dos bons comentaristas, acho que quase estou em extinção, pela falta de concentração mesmo. Me senti esse pobre do ornitorrinco, bichinho esquisito esse, mas merece perpetuar a espécie.
    Volto para ler, talvez tenha mais algo a dizer.
    Abração e ótimos dias!

    ResponderExcluir
  6. Oi Jacque,

    Um texto bastante complexo confesso, mas muito interessante!

    Abçs

    ResponderExcluir
  7. Olá Jacques,
    Um ornitorrinco é muito esquisito mesmo, talves a mãe natureza ou pai natureza tenha resolvido brincar mesmo, pico de pato e tantas detalhes que lembram uma ave, que na verdade é um mamífero,uma especie confusa de se explicar. Realmente este dialogo vai longe.
    Olá amigo que maravilha ler mais um de seus posts. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  8. Jaques,

    Tudo bem? Vou te confessar que não sabia o quer era um ornitorrinco. Mas fui pesquisar e percebo um bicho mais que duvidoso e que nenhuma seleção natural vai extinguir, pois existem aos montes no nosso mundo.

    Beijos.

    ResponderExcluir

  9. Olá Jacques,

    Sua postagem é bem útil para ajudar os pesquisadores a levarem adiante o fruto da Árvore do Conhecimento acerca deste estranho animal. Como é que ele pode ser ao mesmo tempo réptil, pássaro e mamífero? Não deve ter sido fácil para os pesquisadores decifrarem um animal como este. Poucos sabem a respeito ou o conhecem, mas se perguntarmos às crianças elas serão capazes de reconhecê-lo em razão dos desenhos animados. Meu sobrinho mesmo, de 4 anos, já me corrigiu quando eu peguei entre seus brinquedos uma réplica do esquisito animal e o nominei de outra forma-rsrsrs.

    Meu abraço e, novamente, obrigada pelo atenção e carinho de sempre.

    Ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  10. Olá, nobre amigo Jacques!
    Rapaz, esse animal é, realmente, um prato cheio para um cientista neófito e questionador, pois é muito estranho, mesmo: pico de pato, corpo de castor e pés de roedor. Se um criança vir, dirá que a natureza errou projeto (rs).
    A teoria para a extinção dos dinossauros é interessante e criativa.
    Esses dois vão acabar se perdendo nessa pesquisa.
    Sou fã do diálogo deles, pois, além de conter grande sabedoria, é sempre muito divertido.

    Parabéns pelo tirocínio e obrigado pelo comentário gentil e inteligente no meu link!

    ResponderExcluir
  11. Olá Jacques,

    Não conhecia esse animalejo não, mas vejo que é bem estranho e com hábito bem anfibológico.Suas característica é bem estranha, não sei como chamaria esse bicho com bico de pato. É uma criatura bem simpática kkkk. Merece mais pesquisa!
    Adorei amigo!
    Obrigada pela postagem inteligente que sempre nos presenteia.Seus diálogos são de pura criatividade, sabedoria e inteligência.
    Ótima semana!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. O bicho tem bico de pato, põe ovos, os adultos não têm dentes, a fêmea não possui mamas, os machos têm esporões venenosos nas patas...
    Isto não é mamífero e sim uma experiência científica mal sucedida de extraterrestres.
    Eta coisinha esquisita.

    ResponderExcluir
  13. Jacques! Trata-se de um animal fora de série. Bem como os seus textos de riqueza inteira. Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Oi Jacques
    Nossa, esse texto fez parecer os textos da Lu Sta Rita, eu gastei os ticos e os tecos para entender, e mesmo assim kkkkkk, só sei que eu sou daqueles que ainda acreditam em Adão e Eva, mas tem muita coisa que não se encaixa, isso é verdade, os ossos de dinossauros encontrados são uns. Enfim, ótimo diálogo, como sempre.
    Obrigada pelo carinho de sempre no meu blog!
    Bjs. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  15. Sua originalidade é incrível. Foi buscar um ornitorrinco para desenvolver mais um brilhante diálogo. Tadinho dele, tão estranho! Se ainda é incompreendido, merece análise mais profunda (rss). Que é meio desconhecido, logo se percebe. Os cientistas nem sempre conseguem respostas para as transformações que a natureza sofreu. E se perdem em considerações. Será que as gerações futuras ainda ouvirão falar do ornitorrinco??? Bjs.

    ResponderExcluir

  16. Olá!Boa noite
    Jacques
    Tudo bem? Comigo, tudo!
    ontem, por coincidência, vi uma postagem no Facebook, onde tinha um casal,formado por um pato e uma capivara(?), gerando o ornitorinco
    ...a perda de tantos ornitorrincos das gerações
    anteriores coloca nos sobreviventes o fardo de
    se confrontarem com a escassez de conhecimentos
    de grande parte dos cientistas atuais que
    poderiam viabilizar a continuidade da família Ornitorrinco.Os
    horizontes vão ficando mais restritos , o conhecimento quase nada, e as gerações futuras só vão ver mesmo ornitorrinco empalhado.
    Boa semana!
    Abraços

    ResponderExcluir
  17. OI JAQUES!
    UM DIÁLOGO SEMPRE DIVERTIDO, COM TEORIAS LEVANTADAS ENTRE OS DOIS, QUE ENRIQUECE O TEXTO E PRENDE O LEITOR.
    MUITO BOM, AMIGO.
    GRATA POR TUA IDA NO "SÓ PRA DIZER" FOI UM PRAZER TE RECEBER LÁ.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI

    ResponderExcluir
  18. Hehehe está provado que a natureza às vezes erra!
    :)
    Boa semana!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  19. Eu sempre achei que esse bicho estranho foi a fusão de pato, peixe e foca no big-ban... Mas é uma estória plausível essa, afinal são cientistas e eu somente uma pensante. Aliás nem acredito no big-ban pra ser sincera... Creio que foi um lapso da natureza, ou talvez uma "suruba" bestial que resultou nisso.
    Obrigada pelo seu carinho de sempre Jacques!
    uma beijoka doce pra vc.

    ResponderExcluir
  20. haha, mesmo sendo divertido é fácil perceber nesse dialogo uma questão que vivemos nos dias atuais, principalmente com o advento da internet, é tanta criatura estranha que dizem encontrar que agente já não sabe o que é real e o que mera montagem, invenção.

    Abração

    ResponderExcluir
  21. Boa tarde, Jacques ! Amigo seu texto reflete um dialogo interessante, e isso demonstra que precisa mais de pesquisas, que visam conhecer as especíes em geral. Em pleno no século 21, a clonagem entre animais já é possível.Mt bem alaborado seu dialogo.
    Bjs e uma ótima tarde.

    ResponderExcluir
  22. Jacques
    Menino inteligente.
    Quem me dera pudesse ver esse ornitorrinco no zoológico.O diálogo com seu amigo sub me deixa muito intrigada.Será mesmo que os lagartos foram dizimados pelos dragões? Na semana passada fui ao Jardim Botânico e encontrei na beira do lago um filhote de lagarto, um pouco maior que a lagartixa.Sabe é muito pra minha cabeça entender a história desses monstrinhos, mas mesmo assim gosto de ler os seus diálogos.

    Um lindo final de semana.
    bjs

    ResponderExcluir
  23. Olá Jacques!

    Cara, quer fundir meu tico e teco? Estou até agora pensando no que dizer...rsrsrsrsrs. De qualqeur forma, ainda acho engraçado porque sempre que comento sobre esse estranho animalzinho da natureza, muitos fazem cara de surpresa!

    Abraços,
    Flávio (Telinha)

    ResponderExcluir
  24. Como sempre sua mente faz um apanhado de coisas que nos levam a refletir...gostei.
    Obrigada pela gentileza dos votos de felicidade no dia do meu aniversário.

    ResponderExcluir
  25. Olá amigo, deixando o meu carinho.Beijos.

    ResponderExcluir

  26. Prezado Jacques,

    Vim ver se havia novidades por aqui e aproveitei para ler os comentários sobre este divertido e inteligente diálogo.

    Agradeço-lhe o carinho dos cumprimentos pelo meu níver bem como pela gentileza das visitas, que considero sempre bem vindas e importantes.

    Grande abraço e ótima tarde de domingo.

    ResponderExcluir
  27. Jacques,
    Eu fiquei pensando aqui, depois de ler o seu texto...
    Será que somos fruto da sobrevivência dos mais aptos ou dos mais bizarros?
    Bem, talvez sejamos uns MONSTROS e ao invés de extinguir os grandes lagartos, vamos mesmo é acabar com o mundo inteiro!

    Um grande abraço, meu amigo!

    ResponderExcluir
  28. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  29. I MEU QUERIDO AMIGO
    Que bicho é esse afinal? Muito bom esse seu texto.Boa Tarde! Ás vezes, estamos sem rumo, mas alguém entra em nossa vida, e se torna o nosso destino.
    Um abraço
    Ana

    ResponderExcluir