quarta-feira, 6 de junho de 2012

Ser ou não estar sendo, eis a questão




- Filme chato...

- Não diga isso, tolo ignóbil! Essa obra prima da sétima arte representa a...

- Filme não tem que representar nada, ô Lars Von Trier de fundo de quintal, quem tem de representar são os atores!

- Mas é muita... Olhe aqui, seu aprendiz de símio, este magnífico exemplo de estruturalidade fílmica nos remete a uma análise de nossa condição humana efêmera e caótica enquanto...

- Enquanto existir cinema, existirá o pseudointelectual, isso sim! Ninguém merece.

- Pseudointelectual, eu?

- Pode apostar, sabichão!

- Como ousa proferir tamanha calúnia perjuriosa a respeito de...

- Tá vendo? Perjuriosa? Essa palavra nem existe!Típico de pseudointelectual, criar termos para parecer inteligente! Isso mais assistir filmes só pra criticar, usar um óculos tão grande que é preciso ficar o tempo todo segurando a cabeça com as mãos e não tirar o cachecol nem pra tomar banho!

- Isso não... Não é inteiramente verdadeiro. Eu retiro meu amado cachecol quando me banho. Mas é óbvio que, quando faça isso, o deixo em um local onde posso vê-lo, claro.  

- Viu só? É bem coisa de gente do seu tipo dar valor aquilo que não merece! Como observar com lente de aumento os botões das camisas dos atores para ver se a marca corresponde com o período histórico! É muita perda de tempo, hein?

- Observar os... Que absurdo, meu caro. E porque eu faria isso?

- Bem... Talvez eu tenha exagerado um...

- Não há porque eu fazer isso quando há sites especializados nisso. Bem se vê que o amadorismo impera nessa...

- Outra mania irritante, se achar profissional! Vocês são tão profissionais quanto aquele comentarista de corrida de Fórmula 1 que nunca tocou em um carro de corrida! Me diga então, Mister Profissa, o que o Sylvester Stallone representa em Rambo 2?

- Stalone neste paupérrimo exemplo de crítica ao sistema capitalista e ao autoritarismo armamentista representa a fracassada tentativa dos EUA de...

- TÉÉÉÉÉ! ERRADO! Nesse filme Rambo representa Stallone tentando atuar, só isso! Quer dizer, isso e disparar trocentos tiros com um só pente de metralhadora...

- O que é tão absurdo quanto sua opinião infantil e superficial a respeito do...

- E qual o problema nisso? E como vou saber que sua “análise aprofundada” do filme é correta? Tecnicamente, pode haver muitos outros subníveis de aprofundamento, o que pode nos levar ao infinito. E a uma discussão infinita, também.

- Hmmm... Estranhamente, ecos de verdades a muito esquecidas permeiam a névoa disforme que é esta sua mente...

- Aaghh! Porque é que vocês insistem em se expressar desse jeito? Da mesma forma que um filme tem de ser, e não representar, vocês tem de aprender a dizer algo, ao invés de apenas falarem! Parece papagaio de pirata com pós-doutorado em Existencialismo Hermético Comparado! Eu, hein?       

- Nos expressamos desta forma para salientar a força de...

- E por falar em força, como é que vocês são tão raquíticos, carregando aquela penca de livros pra lá e pra cá? E só pra aparecer, né? Já ler que é bom... É o chamado livroculturismo. Deve ser de tanto tentar entender os livros inutilmente que acabam ficando com essa expressão facial de criança de seis anos de idade que acabou de assistir 2001, de Stanley Kubrick...

- Seria esperar demais que um leigo como você compreendesse o eterno conflito que sufoca nosso eu interior a todo instante, como o duelo de xadrez que ocorre na belíssima obra de Ingmar Berman, O Sétimo Selo, onde...

- Ah, O Sétimo Selo? Eu vi isso um tempão atrás.

- Sério? E o que achou desta magnificência celulóidica?

- Filme chato...

29 comentários:

  1. Jacques, boa tarde.

    Na minha ignóbil condição de ignaro em erudição complementar, quase não entendi nada do diálogo, a não ser que o conflito interior dos dois se externou mutuamente na unidade do conjunto. hehe

    =D
    Marcos

    ResponderExcluir
  2. já pensei na exigência do outro até em querer saber se os botões eram de época ou não.
    Estão brincando de críticos da "Sétima Arte". Posso tá errada também.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Jacques.
    Infelizmente, estes pseudo-intelectuais que costumam se auto-denominar "cults" não estão presentes somente na Sétima Arte, há resenhistas literários que, por vezes, conseguimos entender apenas um terço do sentido do livro resenhado e, se não tiver uma parceria com a editora da obra (onde é praticamente intimado a falar bem da mesma ou perde parceria) podemos ter uma leve noção de que o livro está sendo detonado.
    Certa vez estava conversando sobre cinema quando estava em fisioterapia e meu fisioterapeuta disse que se distraía com qualquer coisa, até Cocoon! ahahaha. Ele disse que preferia curtir até as coisas mais classe B do que tornar o ato de assistir filme algo cansativo e, por fim, paranóico e chato. Percebemos estes detalhes quando assistimos ao What's On na Warner, há gente que ao invés de se focar na trama, fica percebendo se o ator estava de cabelo amarrado em uma cena e solto em outra (acho que este comentário foi sobre uma cena de Anaconda) ou se um ajudante do Dr. House estava com uma ou duas luvas em determinadas edições de vídeo.
    Gente chata.

    ResponderExcluir
  4. Ola Jacques,
    Cara rachei de rir com a descrição do filme Rambo! hahahhahaha, De fato esses pseudo-intelectuais são tão chatos quanto os filmes que eles consideram chatos também. Procurar pequenos erros e detalhes sórdidos em filmes apenas para criticar, esquecendo da sua mensagem geral, é minimamente tosco.

    Ficou muito legal esse diálogo, para variar!

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  5. RACHEI DE RIR!
    Muito bom esse diálogo, parece dois professores primários trocando idéias e discursos toscos, EU e mais alguém somos chatos de doer, eita, os alunos às vezes sofrem com a Gente.
    Também na Escola reparam em tudo...rs
    A mensagem é legal! Você capta bem alguns detalhes que nós "seres comuns não assimilamos...Somos chatos, eu sei não!
    Ah, gostei do primeiro comentário...hahaha
    beijos, querido é um prazer vir aqui, saio rindo. Tua inteligência me dá nos nervos...rs

    ResponderExcluir
  6. Pseudointelectual chato, mas o gatinho ficou bonitinho!
    Show de bola o texto!

    ResponderExcluir
  7. Boa noite Jacques!

    Apesar de não saber ao certo de quem se trata ambos os discutidores, devo confessar que "lavei" a alma, com o teu texto e diálogos super inteligentes, porque pseudo-intelectuais existem aos montes, apenas pra ver defeitos não somente na sétima arte,mas também em tudoooo o que não for obra deles...Chatérrimos!

    Feliz feriadão aí pra você e família!

    Bjos da Lu...

    ResponderExcluir
  8. Jacques, tudo bem parceiro?
    Fiquei tonta com o diálogo desses dois chatos haha!
    Todo chato já é chato, porque pensa que sabe mais que os outros; e depois porque quer explicar tudo que todo mundo já sabe, e ao acabar com a explicação sempre tem os poréns e considerações... muito chato isso. :)
    Grande abraço e ótimo feriado!

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Ahahahahahahahahahaha... muito bom e, na verdade, uma crítica ao preconceito (apesar dos dois terem preconceitos distintos)!

    Bahhhhhh... nem sei se eu não estou sendo, também, preconceituosa, mas detesto gente que tem mania de "elite" (eu digo, mania, porque tem gente que é sofisticada e chique por natureza e que só melhora com o tempo) e que se acha intelectual porque viu meia dúzia de filme europeu, ouviu a banda de rock xis ou ípsolon e/ou curte determinado estilo musical.

    A vida seria muito melhor e mais feliz se encarada com simplicidade!

    Valeeeu!

    ResponderExcluir
  11. JACQUES...........

    O que mais admiro admiro nas suas escritas é a mensagem por traz do seu humorismo... isso requer muita inteligencia..
    Outra coisa que observo são as palavras, que mesmo sendo muitas vezes as não usuais em nosso dia a dia deixa seus contos imperdíveis!

    Bom..ainda bem que fui reler o comentario no blog da Cissa.
    Desculpas te peço por ter trocado seu nome.
    Sei quem é o Jaime e sei quem é o JACQUES...RSS Ato falho..

    Voce me fez ir ao Google procurar o que era geomante!
    SIM..sou ma geomante. Obrigada por agregar mas esta palavra no meu humilde mundo das letras.

    Um beijo......

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Oi Jacques,
    Esses pseudointelectuais se perdem nos detalhes, "viajam" neles e terminam por não passarem mensagem alguma, perdem a essência do livro ou do filme... E o que penso ser pior, não deixam os outros argumentarem, darem as suas opiniões ou quando isso ocorre, eles argumentam encima, como se somente as justificativas, opiniões deles devessem prevalecer... Conheço um/a chato/a assim..., kkkkk
    Beijos,

    ResponderExcluir
  14. Oi Jacques,

    Nossa! Ri muito com esse diálogo, muito bom mesmo. Acho que representou perfeitamente os pseudo-intelectuais, ou melhor, os chatos! Pensam saber todas as respostas do mundo, exalam arrogância por se acharem superiores aos outros simplesmente pelo fato de terem opinião pra tudo, ou melhor, por criticarem tudo. Será que esse tipo de pessoa é feliz? --'

    Beijos!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. O pensamento dos "profundos entendedores" nada tem a ver com o dos reles mortais, onde me situo. Há discussões proveitosas e críticas desastrosas, quando se quer impor sabedoria. Estou entre os que, simplesmente, gostam ou não (rss). Mas dos seus textos, gosto e muito. Bjs.

    ResponderExcluir
  16. Amigo Jacques,
    Diálogo de alto nível irônico e cômico, que só você faz com grande maestria.
    São zoilos em cinema, mas gênios no humor. Essa do Rambo representar o Stalone tentando atuar foi demais, ri muito.
    Pelas referências e recorrências, os dois questionadores têm certo conhecimento (apesar de histriônicos) na sétima arte.
    Enfim, na crítica, nota cinco, mas no humor a nota é dez.

    Ótima sátira, amigo!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  17. Oi Jacques
    Eu geralmente dou risada de seus diálogos, mas esse, eu chorei de rir, sério, é uma mentira mesmo o Stalone dar tantos tiros com um pente de metralhadora (kkkkkkk), e o pseudointelectual, vc tira cada palavra, acho que vc realmente é o coelho lilás da Cissa, vc tira cada coisa da cartola (kkkkkk).
    Bjão e um ótimo feriado.

    ResponderExcluir
  18. Oi Jac,

    Tudo bem? Chatinho é pouco para esses dois! O pseudointelectual está presente em todas as áreas, ensino, arte, cinema, pesquisa e até na conversa de bar.Faz parte do ser humano querer se posicionar com um maior grau de conhecimento que a manada.

    Como sou professora de universidade federal, vejo esses modelos sempre e aí é tentar dar uma doida e bater palma para a doidice. No final, ninguém é nada e o ser ou não ser é mito.

    Real o diálogo dos chatos!

    beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  19. só há um discurso que se torna ainda mais insuportável, porque, apesar de menos hermético, é igualmente balofo e circular: o dos políticos :)
    a forma como terminas o texto é a essência arte, seja ela a sétima ou outra qualquer: porque apela a um segundo plano de significação, não pode suscitar as mesmas reações em todos. é também isso o que a torna tão admirável.

    abraço!

    ResponderExcluir
  20. Jacques, mais mais novo e querido amigo, obrigada pelo seu agradável comentário, lá em meu canto. Deixei uma resposta lá mesmo...
    Beijos,

    ResponderExcluir
  21. Amigo Jacques, está fazendo anos hein?! Meus parabéns pra você aí no Sul!

    Bem, achei muito boa essa discussão, mormente para os amantes da sétima arte como nós.

    Até mais...

    Anselmo

    ResponderExcluir
  22. Jacques

    Que fofura.
    Esse gatinho de óculos me encantou.
    Um lindo domingo para você.

    bjs

    ResponderExcluir
  23. Mas que coisa amigo Jacques esses pseudo-intelectuais da sétima arte, mas valeu pelas risadas. Parabéns pela criativa ideia elaborada em seu blog.
    Abraços,
    Leandro CHH

    ResponderExcluir
  24. ehheheheehhehehe
    Aí é que está o problema, o ser de um é o não ser do outro!
    Genial e muito bem humorado - e confesso, senti uma certa identificação particular com o contexto!

    ;D

    ResponderExcluir
  25. Oi Jacques , dei uma boas risadas com seu humor.Acho que estava precisando.
    Adorei esse gatinho com esse zoinho virado kkk.Parece até esses jornalistas tentando ler a repostagem por de trás das câmeras.
    Depois de alguns dias ausente aqui estou de volta!

    Grande abraço e ótima semana!

    ResponderExcluir
  26. Espera um pouco... perdi meus óculos e não estou enxergando nada e par piorar o tecido vintage do meu cachecol me deu alergia...

    Então, na verdade acho que chato é chato e isso não se discute, mas ambos os tipos representam algo negativo, ao meu modo de ver, há o dito 'pseudo-intelectual' que não quer nada mais que auto afirmação e há o outro que repudia qualquer tipo de profundidade, numa negação do intelecto, como se o pensar fosse algo negativo... Compreendi perfeitamente o propósito de seu post e a sua ironia, que já lhe é característica, está genial nele!

    Grande abraço pra ti Jacques!!!

    ResponderExcluir
  27. Querido amigo
    Muita bom esse diálogo. Vc como sempre espetacular.
    Passando para te desejar Que o amor por aí floreça hoje, amanhã e sempre.
    feliz dia dos namorados. Com carinho
    Ana Brisa

    ResponderExcluir
  28. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk... lars von trier de fundo de quintal!!?!?!?!

    Pô, Jac, parento... vc detonou com os pseudointelectuais!!!

    Aliás, o cara poderia pegar mais leve com o pseudointelectual, né!? haahahahahahahahahah

    Mas, que esses caras com jeito de "eu sei tudo de filmes" são uns chatos de galocha!

    bjks cinéfilas JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  29. Olá Jacques,

    Demais!!!!
    Diálogo imperdível!
    Os pseudointelectuais são uns chatos de "galocha", mas convenhamos que também aqueles que tudo revidam, apenas pelo prazer de contradizer, são outros chatos impertinentes.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir